30 dezembro 2005

em-nuveares

porque os silêncios, ou as cores soam em formas outras encerro este espaço, arregaço olhar e rumo vagabundo para nuveares...terra minha, onde os gritos se envolvem em sentires soprados no vento...
não uso tempos, nem agendas ou instrumentos outros que meçam pedaços do existir. é jeito meu. por isso passar de um ano para o outro é cousa estranha para mim sem significado nem festejo. o caminho é o mesmo, com o tempo de cada qual e cada um tem o seu. o meu é o destempo que me comanda os passos, por isso me vivo no sonho. ele é a minha vida, não mais que outra. a outra, a que me vive nos passos e não nas asas pesa-me em lágrimas ou sorrisos e tem a cor dos outros… que este dia de passagem seja isso mesmo, mais um passo da vossa vida, colorida com a vossa cor e de todos os outros…

19 dezembro 2005

Vou fazer uma pausa.
Cousa necessária em alturas de Presépio.
É época de caminho.
É por aí que vou, sem demoras que é viagem por dentro…

Um Santo Natal a todos.

Com caminho...

Com Presépio...

16 dezembro 2005

quando o Um se perde ( ou confunde) numa única parcela

escureceu uma brancura-de-nevoeiro, onde nem os passos se sentem. hesitantes. medrosos…( ou como é sempre necessário luz outra, quando nos perdemos na unicidade do eu, ou como a escuridão se espalha quando a intensidade do existir se concentra num só olhar, numa só cor, seja ela qual, mesmo que bela)

apontamentos para um manual da serenidade

15 dezembro 2005

ao som de uma guitarra

os barcos estão em terra. parados no vento. a secar o sal de ondas xávegas. as gaivotas charruam passos na areia em corridas de desassossego. os azuis enfeitiçaram-se, sem reflexos nem sombras. só eu não me encontro entre coisa nenhuma. sou resumo. síntese. concentrado num ponto do acaso, a escrever cores que se me pintaram endiabradas nas cordas de uma guitarra que toca nocturnidades em tons de (gira)sol-menor...

14 dezembro 2005

simultaneidades

o sonho tem esta particularidade mágica de ser maior que o universo ( porque não lhe cabe ou porque não lhe existe). somos por isso, (ou portanto, ou tão só , ou apenas, ou cousa outra que aqui não cabe, como cousa nenhuma), desenhadores do impossível somos e não somos simultaneamente
eu, ( deixem-me ser assim, na solidão do eu-mesmo, todo lá dentro, no interior do volátil e do vento que me habita) , quando me acontecer o Não-Ver ( ficaria talvez melhor o Não-Ser, mas esse não me existe, nem no ainda nem no depois) e for um grão de terra, vou ser pétala-de-papoila-e-sorri-me-de-cor e serei um grão de terra que não cabe no universo, porque simplesmente é sonho, meu

13 dezembro 2005

não há caminhos rectos, nem na luz...

não tem pontas a minha estrela. nenhuma. nem estrela alguma. os caminhos são sempre redondos. como a vida. círculos de ciclos. redondos. todos. a recta é ilusão que só existe no desenho. desenganem-se os que vão-por-ali, com o traço-definido de-um-caminho, mesmo com luz. até a estrela polar ( eterno farol dos vagabundos-navegantes) se move em redondos. gira-ela-própriasem desenho.

12 dezembro 2005

artífice de “nuveares”

desfoco.
insisto. insisto-me.
sem abismo. (só o há, na angustia…)
no foco, é apenas altura. espaço de voares…
barro-lhe o caminho. em barro. oleiro de nuvens…
a planura deserta-me. só o olhar me foge. me finge. lugares…
gosto do longe. do re-desenho. do começar. do ser…
insisto. insisto-me. sem sombras. com luares…
adormeço-me. nos passos. no reflexo.
nas cores-guardadas-da-noite.
de ventos que sopram
em divagares…

09 dezembro 2005

ilusão

não te iludas! o horizonte da noite está muito mais ao longe que o outro que se veste do dia. esse outro que nos esconde-escuro o olhar, brilha na dimensão do UM

08 dezembro 2005

disse-me

sabes, disse-me a árvore que ia com os ventos, o teu caminho está sempre sob os teus passos( ou como , mesmo perdidos estamos sempre no nosso caminho)

Apontamentos para um manual da serenidade

07 dezembro 2005

pescaria

desenhei redes. com o olhar. finas. visíveis com o sentir sou pescador de cores...

06 dezembro 2005

incompletude(s)

apoiei-me de olhos no espelho com o outro que me vê com a intensidade do desconhecido. não vi silhueta. nem sombras estou incompleto!

05 dezembro 2005

02 dezembro 2005

o ponto

quando olho o detrás, sinto todo o peso que me desenha o futuro, concentrado que estou no instante em que comprometo o amanhã. o amanhã dista de mim um único ponto. um instante. um acaso. tenho em mim o começar da magia do meu existir. é nessa magia que olho o mundo. livre. desprendido. do acaso. do instante. do ponto. o detrás, é sempre o ultimo instante do começar

01 dezembro 2005

nos teus...caminhos, ao Sol

tenho em mim um mar de nuvens, mas, o Sol, esse, Deus meu! está sempre lá, a desenhar-me o VERando nos caminhos com ele, à chuva, no vento. nos meus e nos teus. mais nos teus que nos meus, porque te olho, para aprender a cor com que se pinta o MAR

30 novembro 2005

mocho-cego

as palavras não me dizem. nada. já não! desfazem-se no(s) silêncio(s). caídas. sozinhas. no vazio das letras sem sentido(s). delas. os meus, já não se desenham. nelas. desenformam-se deformadas em nuvens-de-pó, de giz colorido nas-chuvas-de-estio, em vapores-de-solidão-desabraçada, nas noites de mocho-cego. macho. enfeitiçado. as palavras não me dizem. correm sem mim, no poema que não fiz. é dia de poetas. estou surdo. invento vazios. cinzentos.
e
as palavras. aqui.
e
eu sem mim.

29 novembro 2005

o desenho de uma árvore

uma árvore é isso mesmo. uma árvore. tronco. folhas. raízes. sementes. a sombra é o seu olhar….a cor , essa é o reflexo do seu existir…

28 novembro 2005

incongruências sem metafísica

Pensar não é sentir, é desenhar um sentido.

O desenho é uma linha incompleta, mesmo que contenha todas as cores do Universo.

Por isso o Sentir é muito maior que todos os nossos universos, não cabe no desenho, nem na cor.

Nasce sem Semente!

Nem Metafísica!

Mas existe-Nos inteiro no Corpo!

25 novembro 2005

quando cada um é UM escondido na multidão

As pombas da cidade grande são como as pessoas,
da cidade!
Muitas…
Iguais…
Sem nome…
Todas!

No entanto, quando uma voa,
só,
leva o olhar
e
os verdes
e
os azuis,
e
as poesias,
Todas!

Por colorir,

e
o nome,
inteiro,

s-o-l-e-t-r-a-d-o com o existir...

24 novembro 2005

outono(s)

tenho um Outono,
preso,
agrilhoado numa flor,
que insiste,
atrevida,
em cores do destempo,
como balão perdido,
nos olhos-mãos
de um menino...

23 novembro 2005

brincares

o tempo em ruídos sussurrados disse-me quase em voz,
“ brinca comigo”…
peguei-o,
atei-lhe cordel
e
lancei-o ,
qual papagaio de papel…
quando,
lá,
no ir,
já,
no alto,

no cimo,
e
ainda a subir,
soltei-o,
mais além
e
vi-o
a desfazer-se no céu azul a fugir-se,
a fingir-se voo de pássaro-nuvem...

22 novembro 2005

reflexos

Tenho os olhos húmidos-de-sonhos,
que não escrevo,
que não sei…
mas,
quando
se
formam
l
á
g
r
i
m
a
s
,
esculpidas em queda-de-mil-cores,
escrevo,
o que não vivi
na
história escondida no reflexo-do-sonho
que
andou perdida dentro de mim…

21 novembro 2005

tempo(s)

quantos anos passaram?
quantos acasos?
poucos?
nadas?

uma Flor não se pinta num único instante, tem todo o peso do Universo,
e
o Tempo Dele , é magia que não desenho!

17 novembro 2005

resistir

resisto
sem sentir
em revolta surda,
amordaçada…
resisto
cansado
das palavras que se transformam
em reflexos que não pintei...
resisto
de ser palavras
que não sei…
mas,
não desisto
de ser palavra alada
porque só me sei vento
que abraça sentimento…

16 novembro 2005

15 novembro 2005

sem espaço

no espaço-minúsculo em que me habito,
dança um verso,
sem poema,
habitáculo-do-sonho…
castelos-no-ar…
grito-de-borboleta-em-olhos-de-menino…
flor-em-desenho-insano…
gira-sol-do-mar…
voo-de-homem-pássaro-sem-destino,
coisas outras,
tantas
que sinto…
fosse eu mais minúsculo ainda
e não me cabia…

mas não importa
porque importaria?

se a flor não cabe na terra…
se o sonho não cabe em mim…

ah…ser ínfimo assim
e
quase ser universo,
é ser gota de sal
num mar sem fim…

14 novembro 2005

cair na planura

dobrei a esquina-do-vento
e des-nasci-Me num imenso azul,
tal águia-solitária
leve
na
Solidão-da-planura
e
deslizei
no
Sentir…
no
Apenas…
no
Existir…

12 novembro 2005

10 novembro 2005

searas

semeei uma palavra aqui,
outra,
mais ali,
outra ainda,
quase além…

vou demorar-me no tempo
como quem espera um nada…
serão árvores?
flores?
cores?
sentires?
conjugações do Amar?
vou ficar, não vá uma delas crescer longe do meu olhar…

09 novembro 2005

finjo-Me, a mim...de SER!

Não queria deixar apagar a vida, como quem extingue um cigarro, absorto no nada, sem visão de mim. Incompleto. Mas,
vezes há, que nos extinguimos na solidão de uma bruma espessa…
Só oiço o mar, que me chama,
sem chama,
na ilusão do estar aqui…
Desenho um círculo com um tamanho,
só,
sem dimensão…
Estou , numa ausência irritante de me querer num Eu que já não sou…
e
finjo,
finjo-me,
cores como quem dissimula vida nesta noite-quase-escura, que me tolda a visão,
e
finjo
finjo-me,
passos,
caminhos,
empurrado pelo querer de ser onda,
de ser pássaro
e
vivo-Me no delírio de SER!

08 novembro 2005

noite de bruma

escrevo a noite,
com a intensidade suave,
de um beijo,
voado no vento…

beijo-ilha,
navegante…

escrevo
a
noite, ( neste barco sem quilha... )
em desenho-lua,
minguante,
reflexo de onda,
do teu mar
cintilante…

barco de silhueta-nua,
poema sem letra,
nem musica,
nesta noite-escura,
intrigante…

beijo-sopro
que voa à vela,
na névoa,
na bruma,
neste barco-feiticeiro,
nesta Falua,
que bolina num Tejo,
fantasma
que já não vejo
neste teu beijo
que desceu à rua ...

07 novembro 2005

esculpir, em cores várias...um quadro, quase sem letras

Esculpi uma árvore sem linha de horizonte e salpiquei-a de borboletas…

nota1: texto curto, é verdade, mas deve ler-se com fundo azul. Claro no cimo (quase dia) , escuro no baixo ( quase noite); a árvore, um imbondeiro-sem-tempo ( como a África-Inteira); as borboletas…muitas, com cores de tamanhos vários; as raízes…TODAS!...cor de sangue, a pingar gotas de terra ...
nota 2: permite-se variantes para o fundo…cor-de-fogo-no-fim-de-tarde-dos-trópicos, e leituras outras, mas essas já não me pertencem, mas maravilham-me na mesma…

06 novembro 2005

partir, à procura...

vou descobrir a palavra com que se escreve a cor-que-tem-o-olhar...
não olhar qualquer, esse tem palavras gastas, usasdas, desusadas, mas os olhares-do-antes-da-lágrima...
ah! esse, deus-meu, é palavra que ainda não sei!

04 novembro 2005

corridas

passou por mim uma memória, a brincar, toda divertida. tinha aroma de flor e olhar cor-de-fantasia. corria em risos soltos. loucos. quase menina. linda. a bailar dentro de mim. quase magia…

03 novembro 2005

interiores

não comprendo o silêncio.
o teu.
o meu grita-me dentro da pele, como se tivesse alma...

02 novembro 2005

dimensões do Ver

Papá, papá empresta-me os teus olhos , para te ver Todo…
Não, meu filho, não te vou emprestar o meu olhar, se o fizer, morro no teu Ver…
Está bem papá, mas olha, vou-te desenhar assim tal qual,
Grande!
Gigante!
Vou desenhar-te, na imaginação, sem papel, só assim cabes inteiro no meu olhar…

01 novembro 2005

misturas

trago a noite nos lábios. nos teus. passeio no destempo o desenho do teu dançar misturado num beijo. no nosso

31 outubro 2005

o nosso nome

Há ventos sem voz que nos levam o nome,
e
cores que nos trazem outros, como se o nome fosse a nossa História.
Não queria entrar em equívocos com as histórias sem rosto nem voz.
Não é o meu gosto, mas a nossa história ainda não existe no nosso nome!
Eu,
ando sempre sem nome-concluído, porque o meu nome transmuta-se no olhar de cada um…
Divirto-me com todas as histórias que escrevem no meu nome, tão diferentes são do meu sentir…
Eu sou,
todos os nomes que me inventam, mesmo que sejam história de mentir…
Por isso,
querem todos, saber sempre o nosso nome, para nos criarem um existir…
E nós,
por mais que desenhemos a nossa própria sombra, somos sempre nós, mais todos aqueles que se pintaram no nosso nome porque passamos a existir disformes em cada um que se esquece de olhar a alma que dá caminho à nossa própria história…

In “ Apontamentos para um manual da serenidade” ou como devemos saber coexistir com todos os eus que nos inventam, com a certeza de sermos sempre só um, e que a imagem que nos desenham no nome , é apenas isso, um desenho da imagem…

28 outubro 2005

perseguições

persegue-me um som de mar em tons de violino,
em forma de asa,
quase anjo.
mergulha-me afectos escondidos num búzio ,
sopra-me sonhos,
esperanças,
e
deixo-me inundar nas ondas,
nas asas,
brancas
e
sinto,
o pedaço ínfimo do universo
que sou,
gota de um nada
que vê
onde não estou...
sigo-o
vou,
(sede vital,
esta coisa de ir
),
sempre,
em continuo
em fragmento,
em número,
zero ou um
(ah! só há dois números no universo,
e só um se soma,
todos tem verso
e reverso
mas só eu não me encontro em nenhum,
perdido no espelho)…

sou o desenho,
de gaivota
que plana,
azul,
que sente o instante de ser,
apenas,
ponto sem distancia,
sem corpo,
nem luz ou chama...
(ah! ser simplesmente o acaso,
ser intersecção do destino,
e ser assim inteiro,
ar
vento
poema
vida,
é mais que desenho
é coisa quase nada,
quase tudo,
paraíso
que
canta,
e embala
como os olhos de menino
que desenha uma flor,
uma estrela,
com as cores de um sorriso),

persegue-me um som de mar em sons de violino...

27 outubro 2005

as outras cores

Papá, papá, diz-me, porque vejo esta flor azul, e todos a chamam de cores outras?
É azul a minha flor? É não é, papá? Diz-me! Diz-me! Gosto tanto dela assim, azul…
Para ti será sempre, a tua flor-azul, foi assim que ela te nasceu no olhar…
Cada um de nós tem o seu olhar, o seu reflexo, a sua cor, para cada uma das coisas que abraçam o Ver…
Que bom papá! Assim tenho sempre coisas novas para aprender…Diz-me papá, diz-me, como é a cor da tua flor?

26 outubro 2005

mutações

transformo-me!
sinto-o!
em raízes,
fundas,
de terra,
como quem agarra a queda,
de mãos fechadas,
apertadas…
ah…fosse eu apenas folha-de-árvore,
não ficava,
largava tudo
e
era nada…

25 outubro 2005

encontros

Não encontro ninguém…
O corpo está,
Vazio.
Vejo-me apenas,
Ao fundo…
Estou no caminho, entre os olhos e a alma,
A descansar os sentidos,
Estou,
Entre o aqui e o além...

24 outubro 2005

(des) orientações

A sombra de um barco, não navega.
Finge-se em transparências e na ilusão de ir com o vento…
Só a vela vai,
no diante,
Mas,
só o leme sabe o que sente a alma do navegante…

In “apontamentos para um manual da serenidade” ou como para além do vento, para além do caminho, o importante é o querer…

21 outubro 2005

feitiços-da-terra ( desenhos-da-terra)

Risco,
o desenho-da-terra,
sulcos,
soluços-de-cor, que me embaraçam, o ver,
no bailado do sol,
a renascer…
Risco,
o riso-sorriso-da-terra,
que me afaga em ondas de mar,
e
pinto, de asa-flor,
com olhos de amar,
uma tela,
em tons meus,
de aguarela,
castanha, vermelha, verde, lilás,
Amarela…
Risco,
pós-de-cor,
de giz,
cinzelado-ao-vento,
o poema que diz,
lento,
a forma que fiz,
do rio que passa,
a dançar feliz
nos cabelos-mouros de uma cigana,
enlaçados,
em flores-de-liz,
quase linda,
quase bela…
Risco,
a-cor-da-terra-que-me-leva
e
lava,
enfeitiçado,
no barco que me navega,
ao som do mar,
ao som da vela,
neste dia que me foge,
em sonho,
singelo,
alado…

19 outubro 2005

conversares

Há acordares que nos morrem no dia e na poesia
e
o que sobra são cinzentos fingidos de sombra.

Todos os dias têm cores e sentires, escusas de insistir com essa tua tristeza, foge do poema que te arrasta na melancolia, deixa que as cores se aguarelem no caminho!
Não vês tu que elas estão lá?
Esperam-te!
Não as vês tu, a dançar?
Pobre de ti se te mascaras no tu que te foge do eu…
Deixa A poesia,
e
embebeda-te do dia.
Não A escrevas,

não A sintas,
não A pintes.
VIVE-A!
Ama-A !

Ai!
Quando o Ulmeiro me abraça e se põe a sussurrar,
não sei o que faço,
não sei que diga,
entrelaço-me,
adormeço
e
esqueço
o
Eu,
que não acorda
e
me fadiga…

18 outubro 2005

no caminho que faço

Sinto
o
passo que passo,
piso-o,
risco-o,
descalço,
como quem escreve,
febril,
e
bebe água que ferve...
Marco-o,
passo a passo,
como quem cinzela na pedra,
corpo de mulher,
ou
flor de Abril…
Sangro-o,
de passo em passo,
como rio que nasce,
e
morre nuvem,
longe do mar...
Sinto-o
no tempo que tomba,
como quem amassa o pão
como quem vai,
e
não para,
nem que caia
no chão…

Sinto, passo a passo os passos que passo no chão…

17 outubro 2005

outonos

Arvorei-me sob um Castanheiro, sem procura de cor, nem sombra.
Sentei-me apenas para O sentir e deixar que o tempo se extinguisse num nada e se transformasse em quietude.
Silenciámos segredos na cumplicidade da nossa fantasia, embalados nas folhas que se coloriam de Outonos…
O dia desbarulhou-se , só para não nos incomodar e ali ficamos a fingir-nos vivos em transparências de vento, até ao regresso do tempo…

13 outubro 2005

estar

Onde estás?
No eu!
No qual?
No teu!

In “apontamentos para um manual da serenidade” ou como o amor pode ser uma simbiose que nos equilibra o sentir e o existir, sem que se perca o olhar…

12 outubro 2005

intensidade

Dói-me,
a angústia de não-me-ser-inteiro-no-Eu, (como a calçada da minha cidade que se desenha nas sombras, entre os brancos-e-negros que lhe existem no Ser…)
Dói-me,
o sentir…

São dores do re-nascer…

11 outubro 2005

no desenho da calçada...

Passeio-me sem destinos, nas ruas da cidade grande, na cidade que me nasceu no Eu…
Procuro respirares e com eles o sentir da cor e do ir…

Sento-me,
onde os poetas sofreram, onde poetizaram a dor do existir e deixo-me abraçar, envolver, como quem pousa o cansaço no regaço de mãe.

Fico, entre a chuva e o vento…

Ah,
quando morrer quero ir com este vento e renascer na cor do rio-mar que me olha o horizonte.

Ah,
como queria, com desejo quase animal, ser o vento que leva a vela da nau, a bolinar…a bolinar no céu…

Passeio-me nesta cidade, onde a luz reinventa os cinzentos e as sombras em azuis, nas calçadas…

Sento-me,
onde os poetas choraram e deixo-me diluir na chuva que procura o mar e o fecunda…

10 outubro 2005

sou

Procuro nas nuvens que passam,
as lágrimas que verti,
olho-as ao vento,
disformes,
brancas,
negras,
e
procuro atento,
pedaços de mim.

Sou,
arqueólogo,
sem história,
que anda sem rumo, por ali.

Sou,
lágrima esculpida ,
azul,
verde,
carmim…
Ah, velas sem navio,
mar sem fim,
deixem-me ser nuvem,
palhaço-criança,
jardim...

Procuro no céu,
a ave migrante
que fugiu de mim...

Sou,
flamingo azul,
que anda por aí,
perdido,
réu,
navegante...
Ah,
Sou,
poema sem véu,
peregrino sem (a)deus,
pintor sem tela,
sem Tempo,
Livro
esquecido,
evaporado,
queimado-vivo…

Sou,
sem chama,
neste mundo,
letra só,
sem sentido!

07 outubro 2005

as mãos

Tenho duas mãos que se abrem e fecham, como flor, mas só uma vida inteira as ensina a ser cor…
Fecho as mãos como quem fecha os olhos, mas o universo escorrega entre os dedos que rezam…
Só o olhar sabe guardar o Universo, vendo-O…

In “ Apontamentos para um manual da serenidade” ou como para sentirmos devemos sobretudo, estar de fora

06 outubro 2005

dar passos

Quando te sentires cego, fecha os olhos e vai…

In “ Apontamentos para um manual da serenidade” ou como mais vale caminhar com o sentir do que desenhar passos de sombras que nos invadem o Eu...

05 outubro 2005

cores

A terra, tem todas as cores do arco-íris…
As cores todas do arco-íris , são de um castanho febril…
Os gira-sois,
As rosas,
As violetas,
O alecrim
As papoilas,
Os narcisos,
As dálias,
O jasmim...
Ah e as outras,
Sobretudo as outras que nascem flor…
Trituram os sais da terra,
E vestem-se da sua cor…

04 outubro 2005

astrolábio(s)

Acendo o olhar, como quem se perde no fumo, escondido na chama que se desfaz numa acendalha, diluído na luz…
Queimo os passos, no mergulho que dou, nos acasos da vida, guiado pelos astrolábios do sentir…
Acendo o olhar , qual fósforo do existir…
E
Vou…

03 outubro 2005

sede

Bebi um verso,
Sôfrego de cor,
No calor-do-não-estar-aqui…
Bebi-o!
Todo,
para respirar
e
perder-me no olhar,
sem dor,
por ali…

30 setembro 2005

versões

Versão do sentir (1)
Papá, papá diz-me quantos anos tem um poema?
Um poema? Não sei…depende de quem o escreveu, ou quando…
Que pena papá, queria tanto saber quantos anos tem um poema…Deve ser infinitos, não deve papá?
Infinitos? Porquê?
Porque as letras, papá, têm tantos anos…

Versão do sentir (2)
Os filósofos, os poetas ou as crianças tem destas cousas fúteis de se perderem no pensar, nas sobras da vida, e de se porem a contar a idade que um poema tem…
Têm tantos anos as letras, que não chegam a saber quantos anos tem uma folha de poemas….

29 setembro 2005

ventos

Há um vento que me arvoreia verdes
e
segreda,
nas florestas sem luz,
palavras desabridas,
feridas,
cegas,
vindas do nada,
sangradas,
perdidas…

Há um vento que dança
desfolhando,
palavras roucas
desavindas,
esquartejadas
pela lança,
de um grito de criança…

Há um vento que esmorece…
que morre
sem esperança

28 setembro 2005

paragens

O Pião parou,
Caído,
inanimado nos desequilíbrios…
Só o menino chorou,
e
esculpida no chão,
nasceu uma gota-árvore,
adormecida,
com um menino
de corda pendida da mão…

27 setembro 2005

resistências...

Espero,
sem resistir…
Dissolvo-me,
nuvem,
no Sol-poente,
doente…
Sou,
pedaço de vento,
demente…
Espero,
sem resistir,
entrelaçado nas raízes,
e volto do nada,
semente...

26 setembro 2005

pedra angular

Desenhei uma pedra…
Angular!

Tem cor violeta,
quase azul…

Foi a cor que me voo no olhar,
podia ser outra, mas a vida,
é
roleta,
sem números par…

Esta pedra,
minha
e
tua
é
assim,
violeta,
quase azul,
como as asas de um colibri
ou
borboleta,
desenhadas ao luar…

23 setembro 2005

preencher vazios

Há palavras que não cabem na poesia, e no entanto todas entram inteiras na Vida…

In “ Apontamentos para um manual da serenidade” ou como na vida, devemos, sempre que possível, preenchê-la de sentires, não vá o vazio, fazer-nos escorregar na vulgaridade do existir

22 setembro 2005

longitudes...

Não há perto nem longe…há caminho…
Longe é quando se pára!

In “ Apontamentos para um manual da serenidade”, ou como, devemos ter cuidados muitos e não tropeçar no Perto, quando nos distraímos ao retirar o olhar do Horizonte e nos perdemos na vontade do ir…

21 setembro 2005

melodia das árvores, em tons de outonos

Enamorei-me por um Ulmeiro que se pintava de Rio e que sonhava com assobios de borboleta, sempre que o vento lhe soprava a sombra que morria…

20 setembro 2005

Brinquedos

Insisto em brincar com o tempo. É o meu brinquedo preferido. Atiro-o ao mar e ele volta sempre,
divertido…
Entre as ondas-do-tempo , há, escuso, um espaço de fantasia. É aí que mergulho e quase-quase, bebo alegria…
Nesse, instante-mágico-de-destempo-do-dia, vivo o sonho, de sentir o que está fora-de-mim…
É assim que brinco, com o tempo que me sobra em cada instante de sombra que transborda do meu dia

19 setembro 2005

dunas

Tenho uma alma nómada,
difusa nas dunas,
de estrelas-navegantes
que se vestem,
com gotas de chuva…
Nem sempre se vê
ou
sente,
anda por aí pintada
nas íris-das-nuvens
a desenhar girassóis-papoila,
nos jardins
e
em cousas outras,
sem formas
nem fim…

Tenho uma alma que bolina, que anda por aí sem mim…    

17 setembro 2005

desenho de um sorriso em Ré Maior

A guitarra colou-se ao corpo...
Percorre-me os dedos,
e
navega-me na pele
solta,
inquieta,
atrevida,
como um pássaro,
que se esconde na cor de uma flor…

Toca,
fado-negro,
em cinzentos azulados,
sentimentos,
rimados,
amados,
sem saudade,
sem lágrimas,
sem choro…

Sou bandeira sem mastro,
nem maestro,
ao vento…

Só a guitarra me ouve
e
fala,
em cada folha-que-me-liberta,
deste ulmeiro sem história…

Sou pássaro?
Sou corvo?
Que importa!

Voo-ausente, nesta melodia,
que bebe o sangue,
do homem-novo,
que renasce,
dia a dia…

Ah!
Fosse eu,
o que o olhar-me-sente,
e
a guitarra que se solta,
e se
desamarra,
quente,
nos dedos,
não era pássaro!
Nem colibri!
Nem rosa!
Nem gaivota!
Nem Arlequim!
Nem lembrança!

Era melodia sem fim,
a cantar por esse mundo fora,
desenhada num sorriso de criança,
que ri,
ao som da guitarra que chora…

16 setembro 2005

pinturas

Hoje,
desenhei o céu,
de uma cor só,
em aguarela viva,
dançarina-sem-tempo,
esquiva,
quase flor…
Não oiço o eco,
Não oiço nada…
Tenho a alma,
inteira,
esbatida na cor..
Só o girassol me foge,
em amarelos,
doces,
de-papoila-triste…
Não oiço o tambor,
não oiço nada,
Só a guitarra canta,
o poema que sentiste,
as letras que não escreveste…
Desenhei o céu,
de uma cor,
só...

Hoje…
Não oiço o vento,
Não oiço nada…
Tenho na minha mão,
entrançado,
o coração,
em laços,
em nó,
que chora baixinho,
por ver o céu,
de uma cor só…

15 setembro 2005

na dor, de querer SER

Tenho no palato o som amargo da terra que secou,
ferida,
gotejada em âmbares derretidos em noites cinza,
sem luar,
Guardo os gritos numa lágrima…
Uma,
só,
e
repinto-a gaivota com colar de horizonte,

Olho-a ao longe,
e
abraço
saltimbanco-palhaço
que alivia,
no grito,
a saudade,
de sentir a terra viva
sem dor,
a voar liberdade...

14 setembro 2005

memórias desenhadas sem tinta

Sonhei,
memórias
e
perdi-me,
no tempo,
na incerteza difusa,
de me ser,
inteiro
na
aguarela que pintei,
confusa,
antes do sonho…

há um homem dolorido,
escondido,
nas páginas do meu livro,
que se veste,
colorido,
aprisionado no destino
e
não voo…

Sonhei,
histórias,
letra
a
letra,
como chuva
desenhada num tempo
que não passou…
agrilhoado
sem esperanças,
em cada passo
que se assustou…

Sonhei,
lembranças,
que o tempo inventou…

13 setembro 2005

invisibilidades

Mastiguei um pedaço de luz
e
desenhei,
por inteiro, o Vazio
e
a nudez de um Rio, como se a memória adormecesse sem pesadelos, nem muros-caiados-de-silêncios…
Só as sombras eram brancas, frias, (des)luadas na noite que me dormia…
Despenteadas…
Bailarinas invisíveis,
que me consomem vampiras, o sentir e o Ver...

12 setembro 2005

eclipse

Guardei todos os ossos-da-memória, numa gota de vinho rubro, entranhado dos suores da terra e do Homem e fiquei suspenso a Ver o eclipse-da-nuvem que se escondeu entre o olhar a alma...

10 setembro 2005

autópsia de um sonho

Pierrot morreu!
Desbotado!
Dissecado em memórias infantis...
Perdeu-se nas metáforas,
sem cor nem sorrisos…
Morreu!
Assim, tal qual,
num quadro de Dali,
que nunca pintou Pierrots nem Arlequins…
Morreu, Pierrot,
derretido,
deitado fora entre as folhas secas do jardim…

09 setembro 2005

missangas

As estrelas zangaram-se enciumadas quando pintei o céu de missangas coloridas.
Cresceram muito as minhas estrelas, perderam a fantasia…

08 setembro 2005

Notredame

Não há surrealismo que me pinte ou escreva…
Fiquei preso na ponta do arco-íris,
enamorado,
nas gotas de um bago de uva,
a tocar violinos,
e
a dançar com o vento e a chuva…
ah, soubesse ter errado os caminhos e teria encontrado o desenho pintado de Nossa Senhora Paris, numa lágrima de neve pura…

07 setembro 2005

fados

Escrevo lágrimas de guitarra que só ela sabe pintar,
toca em bailados
de-di-lha-dos,
em-sons-de-sol,
a-la-dos,
numa história de encantar…
Não tem reis,
nem princesas,
nem rainhas,
nem sapos,
é fado que sente numa noite de luar.
Sal-ti-ta a musica,
leva a cor e o olhar…
Quente esta musa,
que ousa amar,
sopra a guitarra,
sozinha,
num som de embalar.
Não é sonho,
nem gaivota,
é fantasia que toca para a cigana-de-olhos-de-mar,
soltar o corpo,
e
dançar…
sal-ti-ta-a-ci-ga-na,
nas cordas bambas
desta guitarra que chora
a cantar...

06 setembro 2005

esquiço de uma noite

Desenhei uma árvore pendurada no céu com as raízes abraçadas à lua…
Vesti-a de borboletas…
Eu,
em silhueta chinesa, a imitar estátuas,
tocava flauta-de-Pain, para encantar estrelas que bailavam quase cisnes,
quase fadas,
quase letras…

05 setembro 2005

alísios

Irrequieto-me nos alísios de um dia quente que se esvai em gotículas dançarinas,
folheio a vida em soluços enleados numa aguarela cinza de sombras amarelas
e
o espelho finge-se de mim,
mas estou evaporado em silêncios que ecoam batuques-de-fogo e fumos-de-alma.
O dia esculpiu-se xistoso e o vento levou todas as cores num passeio sem retorno…

Há vozes ao longe…

Minhas.

Musicas e lamentos,
ladainhas antigas…
Só o barco me navega,
bailarino,
lento…
Já não sinto.
Inquieto-me e mergulho,
sozinho,
neste imenso vazio de um dia que se apressa mais que o vento,
sem história,
nem livro…
Só o desenho me lava,
e
leva
leve,
na ondulação das dunas,
desta linha deserta,
sem caminhos…

02 setembro 2005

no vermelho-sangue de terra que grita

A terra estremeceu,
soluçou gritos feiticeiros e emulou-se em desesperanças...

Asfixiou-se em respirares de fumos negros...

Lá,
onde o horizonte se azula,
o mar paralisou-se em tristezas e os navegares fantasmas deixaram de gerar ondas…

No fim,
o fogo suspendeu-se em queixumes de lágrimas secas e pairou impune nas nuvens sem sentidos,
nem ventos,
nem sombras,
nem destinos...

01 setembro 2005

hibernações do Ver

Vou olhar a lua,
como uma gaivota que navega sem voares,
transformada em falua,
sem ventos,
nem estrelas,
nem azuis,
nem lugares…

Guarda-me a chave da gaveta…

Podes perdê-la
Tanto faz.

Vou (re)inventar tudo …outra vez...

31 agosto 2005

a pairar em planuras e mesmo assim, existir...

Estranho-me da ausência.
Irreconheço-me ao andar por aí sem mim.
Sem palavras,
sem desenho
nem cores.
Sou invólucro andante,
pedinte?
pedante?
Autómato de fuga,
de pausa,
de intervalo.
Suspendi-me no existir de mim.
O relógio parou...
Destemperado.
Durmo em gaveta,
baú fechado,
parado...

30 agosto 2005

ciúmes

hoje,
o mar revestiu-se de andorinhas e de pescadores de estrelas...
as gaivotas enciumadas,
ficaram a olhar futuros,
com todos os azuis a dançar emoções numa planura serena de brisas ...

29 agosto 2005

quando o horizonte se refugia bem perto de nós e nos abraça desconfortado por se transmutar em muro de cinza

O mar escondeu-se numa névoa de fogo,
densa,
escura,
de cinza...
de bruma
e o horizonte fugiu…
Acoitou-se na praia, desenhado em ondas brancas,
tímidas,
medrosas…

Só ao dormir-do-sol, caíram pós-de-pirilampo,
e o mar sorriu de cócegas…



O dia fica pequeno com o horizonte tão perto do olhar.
Há uma espécie de muro na existência, que paira perene, suspenso no (des)tempo de se ser Mar,
por inteiro…

01 agosto 2005

ir


"ir"
céus da Ria de Aveiro - Julho de 2005

Chegou o tempo de ir, em sentido qualquer mas ir...
Vou procurar sentires, cores, novas linhas de horizonte.
Vou entre o céu e a terra procurar equilíbrios e harmonia.
É tempo de ser em estado puro, sem filtros, sem horas, sem espaço.
Volto com data marcada em Setembro...

28 julho 2005

Sim, Senhor Doutor...

As desatenções levaram-me ao trambolhão e ás consequentes maleitas do corpo que, sendo resistente, não foi feito para brincar com as forças da Natureza, e a gravidade, é a gravidade, não há forma de lhe dar volta, leva tudo ao chão, mesmo que não se queira e se acredite que em vidas outras se foi gaivota.
Aparei a queda com o ombro que de tanto se queixar, lá me convenceu que tinha que ir ao médico. O normal era marcar consulta e ser atendido, mas como é normal ter que esperar meses sem conta, desnormalizamos o acto e toma lá Urgência com a dor que ao menos assim, mais hora menos hora temos olhos que nos vejam, radiografia tirada, e papel de receita a aviar se a dor se prolongar.
Está mal o sistema, estamos mal nós que o pomos sempre à prova com coisas de menor monta, mas saúde é saúde e ensinaram os antepassados que com ela não se brinca.
Ainda pensei em afagar as fomes, que o dia fora longo e pressentia longas horas. Não acautelei o estômago, mas um livrito levei não fossem as horas ter tamanho outro que as normais e os minutos se agigantassem.
Vivemos em sociedade, de informação e cartão magnético é coisa do dia a dia. É só pôr na ranhura e lá está o historial burocrático do cidadão. Mas este que resolveu ao fim do dia utilizar o Serviço Nacional de Saúde, mudou de morada e teve que redizer tudo de novo, de sorriso na boca e dor na omoplata.
Seguiu-se a "triagem" em sons castelhanos e novelescos e lá fui de papel branco na mão, com a queixa da maleita descrita em letra para entendidos, para sala outra, à espera de vez.
Esperei, pouco, porque esperar é estar num sitio sem nada fazer, e eu antes de pegar no livro e isolar-me do local, olhei curioso a tentar adivinhar vidas, coisa que gosto desde menino, pôr histórias nas pessoas e no tudo.
De fronte estava idosa de pele gravada de vida enviuvada, em cores negras de morte adiada. Toda ela transpirava dor, incomodação, olhando o tecto, transformado em céu, e em prece de alívio rápido. Fixei-me na pele gretada, a desenhar movimentos de vida de campo, nos amanhos da pequena horta, das galinhas, dos coelhos e das sua quatro cabras, ganha-pão de tapa-miséria precioso, que passeava mesmo com dores de afia-ossos, nos pastos secos, de terra seca. Eram o seu tesouro, as suas quatro cabras, que tratava com autoridade de pastora-viúva e de filhos emigrados…
Senhora Albertina Silva?
Sou eu, sou eu…
Apareceu um vulto alto, sisudo, de bata branca a esconder ganga-de-marca e desconder sapato italiano (que por cá não se sabe sapatear com classe), olhar de águia, austero, predador…
Quem a mandou cá?
Bem Senhor Doutor, foram as minhas dores…
As suas dores? Então a senhora, tem dores?
Tenho sim Senhor Doutor, não…
Onde? Diga onde?
Na perna Senhor Doutor, na perna, é da coluna, sabe…
Ó minha senhora, alguém lhe perguntou de onde é a dor? Se sabe de onde é vá-se embora, a consulta está feita, quem é a senhora para fazer diagnósticos?
Diagno….Senhor Doutor?
Aponte! Aponte onde é a dor!
Aqui senhor doutor.
Muito bem! Agora espere!
Muito bem ,Senhor Doutor!
( esta cena, este acto de vida, indefeso, passou-se em frente de todos, não foi na reserva de uma pequena sala, foi num corredor de espera, ao sabor das humilhações, no indecoro de uma violação da alma, no desprezo de um desafecto...).
Senhor José?
Levanto-me,( ainda com a Dona Albertina no sentir, a imaginar as preces de perdão por tratar tão mal as suas cabrinhas e por tal falha desumana, estar agora a ser ela, tratada como animal sem rosto, nem pasto de sorrisos).
Entre.
Entrei para uma sala. Intrigado. Mais intricado fiquei quando saí , porque fui bem tratado, acompanhado à porta, com desejos de melhoras.
Fiquei incomodado a pensar se seria do cartão, ou se a dona Albertina, era afinal um fantasma, indigente que por ali passara para incomodar o senhor doutor, senhor de diagnósticos profundos, que escolheu mal a profissão e que se arrasta nos corredores de um Hospital, como ave de rapina a sublimar as suas frustrações de vida…
Não sei se ainda lá está a Dona Albertina, eu já jantei, já aviei a receita e preparo-me para noite inquieta, porque o mais certo é ter visto fantasma porque humano não se trata assim , e cartão afinal é para desburocratizar e facilitar os procedimentos e saber quem paga ou não paga taxa moderadora…

27 julho 2005

hoje sou...pedaço de reticências que se desenham sozinhas

Sentei-me num tapete-de-sombra e voei em cada cor que se escondia de mim .
Tapete mágico, (de luzes-de-lua-nevoeiro, que me percorre as veias da alma, sem medos nem angustias, fundo), quase cristalino,
Vou,
Em estado-puro, num cavalgar desenfreado, sem rédeas, nem universos.
Sou saltibanco-de-fantasias, longe do Mundo…
Sou o Mar que me habita,
Onda-elefante,
Muro,
Pedaço de nada, de mim,
Volátil,
Mudo…
Voo, em tapete-sombra, embondeiro-muribundo, entre espelhos-do-eu,
e escrevo,
lá,
no alto, no (des)mim, nas estrelas do Mar-Egeu,
Hoje, sou o acaso,
Pedra solta,
Papagaio-de-papel,
Sou,

todas as letras que não se escrevem em mim,
Pedaço de alma,
In-verso,
Arlequim”

22 julho 2005

linhas de mão

Na palma da mão desenho areias,
em gotas de nada,
agarro-as liquidas,
desesperançadas…
Desenho linhas,
longas
no chão,
descompensadas…
Fogem desertas,
sem sombras,
desencontradas…
Desenho na palma da mão labirintos,
meus,
coloridos e vagueio-me nos passos,
não há ecos
nem gritos,
nem castelos-feiticeiros,
há uma luz nocturna que me leva que me viaja aos sons de uma guitarra que chora,
nevoeiros…
Na palma da mão desenho laços,
teus.
São ondas,
douradas
Que esvoaçam mitos
ao longe,
de longe
enamoradas…
Linhas abertas,
feridas,
vidas
que nos fogem
caladas,
perdidas,
sopradas…
Barco fantasma,
(falua,
barca,
bateira ou
moliceiro)
São linhas da mão…
gotas de areia,
desertos de água,
solidão,
flauta,
singela,
bela,
de pan…

oiço,
ao longe
de longe
violinos de Chopin

19 julho 2005

dúvidas

Entre as inúmeras possibilidades de acasos, em cada instante só te cabe Um, e nesse que é teu, gravitam outros incontáveis acasos que serão o Um de cada outro que te envolve O viver.
É nesse acaso, (sem dimensão para o olhar e o sentir) que uma simples flor, (desenhada na beleza de ser apenas flor), cabe na tua mão e simultaneamente não cabe no Universo, tamanho é o seu existir e a sua cor.
É assim que surge o Multiverso, contemporaneamente ínfimo e gigante…por isso devemos ter muito cuidado com o existir, porque os nossos instantes são determinantes para a Alma do Universo…

Nota: pede-se desculpa a quem lê, toda esta confusão exotérica. A ideia está embrulhada, labiríntica, mas estas coisas do imponderável, dos instantes e dos acasos são coisas de alma e essa não se deixa explicar, mesmo que ande distraída…
Vou olhar com mais detalhe esta coisa estranha do Multiverso / Universo, porque andei quase meia vida à procura do UM, e agora assim sem mais, sem pedir licença aparece outro UM simultâneo , paralelo "insomável "que me desordenou a serenidade do existir...

17 julho 2005

sem um fim

A vida não tem que ser uma vitória, uma incansável conquista, nem tem necessariamente que ter um propósito, basta que SEJA.
Só dessa forma nos conseguimos maravilhar com o UM, porque ele não é um Fim mas um Todo.

In “ apontamentos para um manual da serenidade ou como é tão fácil perdermo-nos no caminho quando confundimos o querer com o ser…

16 julho 2005

mestres

Vivo num país sem Mestres…
Não que os não hajam, mas porque todos o são…

In “apontamentos para um manual da serenidade” ou como a sabedoria não está na opinião que se tem mas como se transmite …

15 julho 2005

ingenuidades...

A consciência é a sombra colorida da alma. Persegue-a, delimita-a, com ou sem luz, abraça-a. Uma alma sem a sua sombra é como flor sem cor, existe mas não se sente…

In “ apontamentos para um manual da serenidade” ou como por vezes devemos deixar-nos ir com a ingenuidade do existir de mãos enlaçadas à nossa sombra-de-alma, vá ela por qualquer onde…

14 julho 2005

era uma vez...( desculpem, hoje só falo com crianças)

Colei,
estrela-do-mar,
entre as nuvens e o azul da noite,
e outra,
do céu,
entre as águas e o horizonte salgado de ondas e ventos e mares.
Cada uma com cor sua.
(Quem não gostou foi a lua,
que ficou sem pedaço de luz com que se passeia,
nua,
pela rua. )
Mas o céu ficou salpicado de estrela princesa
que queria ver o mar lá do alto,
onde se escondem os desejos...
E o mar,
iluminado de estrela príncipe, quase rei, de uma luz suave de Natal.
Foi nestas andanças, de lua e de estrelas
que encontrei maravilhado,
pequeno animal,
que já não sabia quem era neste espaço universal...
se cavalo,
(coitado),
marinho,
apaixonado , pela estrela que tinha desejos maiores que amar coisa de rabo enrolado,
se menino enfeitiçado por estrela que se fez ao mar.
Fosse o que fosse,
o pequeno animal,
estava encantado,
por se sentir assim,
pasmo,
baralhado,
por esta confusão de ser joguete,
peão,
de poeta desastrado
que pinta,
com o que tem à mão,
distraído,
estrelas em qualquer lado,
no céu,
no mar
ou no coração...

13 julho 2005

tonalidades brancas

Pintei um branco que só a gaivota sabe e salguei-me nos céus-vermelho-sangue…
Hoje sou “pôr-de-gaivota” que se esconde no horizonte-verde-mar…
Pintei um branco que só a dor sabe e tatuei uma lágrima doce que beijou o mar…

12 julho 2005

futuro(s)

Só há futuro se ousares…
De outra forma só te restam dias que se repetem ao ritmo da rotina, que se desfolham como um livro branco, em monotonias…
Se resistires a folhear as páginas brancas sem esboçares um sentir, sem te deparares com um impulso de um desenho, de uma letra, de um risco, então estás perdido. Enterra-te!
Mas se ousares um sentir, então nasce o NOVO e esse arrasta-te no futuro...

In " apontamentos para um manual para a serenidade" ou como tudo se pode tornar simples se nos maravilharmos com a emoção do desenhar o futuro através do sentir...

11 julho 2005

o grão de areia

Se fechares a mão e prenderes o que nela cabe, todo o Mundo te escorrega entre os dedos e o que te sobra , só existe para ti…

In “ Apontamentos para um manual de serenidade” ou como quando te aproprias de um grão de areia, todo o Universo se ri de ti…

10 julho 2005

forças

Se abres as mãos para sentir a força do vento, do mar e dos rios, porque não abres coração para sentir a força da vida?

In" apontamentos para um manual da serenidade", ou como não sendo possível agarrar a totalidade, é sempre possível senti-la...

08 julho 2005

africa

Há um pássaro negro em mim que pinta o céu de sol em esvoaços,
livres,
outro que me pesa em ecos-sombras
coloridos-de-lagrima,
tristes.
Águia-corvo de um mesmo voo que se agonia sem audácia
e pousa triste em terras,
longe,
de acácias,
rubras,
sem céu,
nem
asas...

07 julho 2005

odiosapiens

bailados amordaçados

A revolta contra a extinção do Ballet Gulbenkian resultou numa petição on-line. Será entregue ao Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian.
Estou de acordo e assinei.
A última parte merece ser transcrita:

«É, na nossa opinião, um crime cultural contra o país. Temos noção de que o BG não é uma instituição pública. Sabemos que a Fundação Calouste Gulbenkian é soberana nesta decisão. Mas quarenta anos de vida – e que vida – tornaram o BG património nacional. E o património nacional, manda a lei, a ética e o bom senso, deve ser defendido. Esta extinção não faz justiça ao Ballet Gulbenkian nem ao seu público. Não faz justiça a Portugal. Nem faz justiça à Fundação Calouste Gulbenkian, grande farol de um país culturalmente tacteante. Pedimos, por isso, que reconsiderem a vossa decisão. Sob pena de ficarem para a história – da FCG e de Portugal – como os carrascos de um membro insubstituível do panorama artístico nacional.»

Para darem o vosso apoio basta acederem aqui:

http://www.petitiononline.com/bg05ext/petition.html

o guardador vagabundo

Vi um pastor,
sossegado,
caminhante...
Passeava flores,
divertido com o Universo…
Ah! Deus meu…e as cores do sorriso das flores…
Fosse eu pedaço,
verso,
estilhaço,
ou
sombra do pastor,
e era eu que ria,
quase palhaço,
deste dia, que nasceu,
aço,
fino,
aguçado,
de dor…
vi,
um pastor,
não de gado…
de flores…
Não tinha capela,
nem templo,
nem arado,
tinha um sorriso rasgado,
por estar ali,
descansado,
a vaguear o aroma das cores…

06 julho 2005

descuidos

As nuvens (des)azularam o céu com histórias gotículosas que se desfazem na pele como brisas de afectos. Acariciou-me uma que me disse sem ventos nem cerimónias “ …andas desatento-de-cores…mergulha-te no desdentro e vive cada palavra que não ousas…”

In “ Apontamentos para um manual da serenidade”, ou como devemos olhar para fora da concha-do-eu para sentirmos a Vida que se nos oferece e nos empurra no existir…

desazularam
= pintalgaram de branco o céu ( emitiram sons de segredo no sentir de quem escreve)
goticulosas = tentação de quem escreve de confundir o leitor, com gulosas ( gotas pequenas gulosas? ávidas de se ouvirem? doces? ternurentas?) De qualquer forma a imagem é de pedaços de nuvem que nos beijam a pele...
desdentro = influência da literatura africana, cada vez mais presente na minha forma de estender as palavras no sentir e de reinventar sentidos ( Mia Couto, Pepetela…) que na verdade apenas pretende dizer, para fora ,de dentro para fora…sai de ti...

Peço desculpa ás palavras de as aprisionar em sentidos. Não é habito meu impor paternidades...

05 julho 2005

somatórios

Onde estás?
Aqui!
Onde?
Entre o que sentes e o que vês…
Ah! Estás no Eu!

In “ apontamentos para um manual da serenidade” ou como uma ausência nos desenha o Eu, ou como somos um somatório de ausências, ou ainda como o vazio nos envolve em caminhos e nos leva no ir...

04 julho 2005

...

Não escrevo.
Pesam-me as palavras que esvoaçam escuras.
Não gosto de palavras sem cor.
Não escrevo.
São silêncios de dor…

30 junho 2005

de papel...no azul

Vagueio o vazio,
O mesmo.
O sempre que me navega,
vagabundo,
o que me habita no destempo do Eu que me cega…
Marco sem bússola as pegadas
que gravo,
grave,
no Mar…

É esse o desenho do meu vazio…

Os passos no azul…

Os pássaros?
De papel?
Presos?
No fio?

Não,
Não há pássaros azuis-de-mar e eu sou pássaro-onda,
branco-espuma,
nuvem,
que vagueio no vazio,
nos passos,
sem compasso,
perdido no tempo...

No pêndulo?
No templo?

Gravo as pegadas,
uma
a
uma em voo alado,
sem destino.

Não procuro,
ando,
vazio,
num círculo,
longe de mim...

De TI?

Sou onda-eco,
que desenha passos,
no jardim…

29 junho 2005

(des)humanidades

pinto, de lápis e cores de água.
suave ,
não vá o lápis revoltar-se.
os olhos do lápis partem-se em lágrimas se lhe transmito a dor disforme que me salta do ver.
aguarelo-me inteiro,
dessalinado,
em ossadas-andantes-na-negritude-do-sangue-fome.
não tenho ódios,
nem raivas,
nem palavras,
nem gritos,
sou indignação.
por inteiro.
afiado, como o lápis que me escreve,
sem poesia nem perdão.
pinto,
suave,
com o cuspo da ilusão.

parem o tempo!
já!
ah se desse, parava-o eu,

a cada segundo morre uma criança sem (a)deus .

parem o tempo já.
agora!

para que não morra a criança que ainda não nasceu…

já não grito.
já não choro.
sangro sal.
uivo ,

sou animal.

28 junho 2005

desencontros

Encontrei nuvem que me contou coisas que só o céu sabe. Disse-me assim sem vergonha e com escárnio que nos olha um a um e se põe a imaginar um desenho para cada qual. Disse (faladora dos diabos esta nuvem…) que me viu palhaço quando eu ainda era só coisa pequena, mas que agora estava disforme…
Estou à espera que te desenhes, sublinhou num sussurro arrogante e sem sorrisos.
Vou falar com outra nuvem…esta não tem imaginação nenhuma.

25 junho 2005

irrequietudes de um caminho

Sempre que me aproximo do horizonte ele inquieta-se e transforma-se em montanha.
Só na distância da planura sinto o infinito de uma linha que me acalma em serenidades longínquas e me sinto em mim...
Quando me aproximo, quando saio de mim, tudo se agiganta em perguntas que se perdem sem resposta ...

In “ apontamentos para um manual da serenidade” ou como só te deves aproximar do horizonte se estiveres preparado para a subida, porque o teu horizonte, a linha que procuras, encontra-se para de lá da ilusão ...

24 junho 2005

um só nome...o nosso

Desenho o teu corpo de linha só, dos cabelos nasce a linha que te percorre os traços de mulher.
Tens um só traço,
um só nome,
Beijo-te os seios, em vento-seda-de-carícia,
sorris…
é como beijar a felicidade…

23 junho 2005

(em) sombra

Sento-me no Sol,
ensandecido,
queimado no desmim,
gota de um nada,
ferido
na
asa,
quebrada
num alar esquecido,
do fim…
Vou
no
que
sou
em voo,
sem
ali…
Ah, fosse eu Só,
sombra-oculta
na penumbra
de mim
e era vento-vela
no mar,
solto
do além
do aqui…

22 junho 2005

dimensões

O infinito,
tem,
entre outros,
dois tamanhos e um é MAIOR que o outro…
Não há infinito como o de uma criança…
Quando crescemos, ele encolhe, mingua, nos filtros que usamos no abuso de o olharmos por dentro, o nosso infinito passa a ter o tamanho do nosso “por dentro”…
Só o infinito de uma criança salta dos olhos…e é esse salto que o transforma em ENORME

21 junho 2005

na corda de um peão


Desenhei a fantasia,
numa flor…
Pintei-a de cor,
de uma cor…

Uma.

Só.

Musiquei-me a ouvi-la,
(nos
pingos
que pingam
o
tempo,
e
as
esperanças
),
todas as histórias,
que
ela
tinha,
nas
lembranças,
mais
os segredos
que
não
dizia
a
quem não lhe soubesse
a
dor,,,
Eu,
sabia,
desenhei
a
fantasia
num dia
de
sombras-vazias,
nas
curvas
de
um
peão
que girava
sem
asas,
nas linhas
da minha vida.

17 junho 2005

história mal contada, ou como nem todas as histórias servem a uma criança

Tentei contar a uma criança que o céu, durante o dia tem mil e uma estrelas, não uma.
"Nem todas tinham nome, era certo, que a que se via, escondia as outras e quase nos cegava quando olhada, olhos nos olhos, era também verdade, mas elas estavam ali, como anjos a brilhar"…
Duvidou, o menino que me ouvia, com tanto desacreditar que tive que arregaçar as mangas, pegar em escadote e uma por uma , até mil, repintar todas as estrelas-anjo que se envergonhavam nos azuis claros do dia.
Não sei se foi por causa do Sol ter derretido todo o meu trabalho, ou por não ter escolhido os amarelos-brilho certos, o certo certo é que ouvi com todo o desdém , Isso é batota! Disse-o assim sem mais, com os dentes todos, poucos, mas todos, num sorriso de troça…
Não é nada batota, insisti com a imaginação toda aflita…
Voltei a subir a escada e furei o céu em mil e uma alfinetada a pedir-quase-reza, às sortes que acertasse em cada uma das estrelas que se divertiam escondidas de mim.
E agora? Perguntei sem abrir os olhos, tal era o meu desacreditar…
Estragas-te o céu todo! Vou dizer à minha Mãe! Vai-se esvaziar todo! Estúpido!
Fiquei a vê-lo ir em corrida de medo sem olhar para o atrás …
Só reabri os olhos à noitinha.
O céu estava todo divertido, às gargalhadas de luzes…

16 junho 2005

cadastro de mim

Todos os meus átomos são de Mar, Terra e Ar…
Só um me escapa…
É esse que me leva... na lembrança do existir…

15 junho 2005

Mestre


Não nos deixaste,
ficaste inteiro no VER,
na invenção dos dias claros que se escreveram no desenho com todas as cores da HUMANIDADE…

Somos orpheus de ti

há 35 anos(*) eu era criança , tu….também…

(*) anos da morte de José Almada Negreiros

a forma de uma intimidade

Não sei em que pedaço
do espaço
que
me
abraça,
encontre a suavidade
de
uma
intimidade…
( aquela coisa estranha que nos aquece até ao (des)fim …),
se em gota de sal,
pingada num sorriso,
se em seio,
desenhado,
visto,
de mulher,
desvestida no baloiço da brisa,
ou em orvalho de rosa,
flor,
perdida,
na cor…
Não sei em que forma de lágrima,
ou em que forma,
procure…
Seja ela o que for,
molde,
pintura
risco,
escultura,
esboço,
sonho,
delírio,
loucura,
apenas nuvem,
ou amor,
que surja
do
aqui
ou
do
além…
mas que seja intima.
Sem dor…

14 junho 2005

coisas simples

O sonho mais simples de um homem, é dizer "amanhã" com um enorme sorriso no olhar...os outros são muito mais complexos (não nos cabem no corpo*)...têm por inteiro toda a emoção do Universo!


(*) o que nos cabe no corpo inclui até onde o olhar nos leva...

13 junho 2005

os passeios de uma árvore

Encontrei uma árvore que se espreguiçava em mil-braços-de-palhaço-aposentado, espécie rara, porque pastora, guardiã de pássaros-folha…
Tinha momentos de futuros e sorrisos, porque quando os seus pássaros voavam, transformava-se em nuvem.
Gostava de viajar, esta arvore-de-babel de cores muitas e mil cantares…
Descansou na minha sombra…tinha cousas para me contar…sabes, disse-me em sinceridades, já percorri o Mundo, levantada pelos meus pássaros, mas tenho saudades da Terra, estou cansada de me levarem. Perdi raízes. Sequei-me nos sonhos e nas cores de um ir que não me coube no acaso. Tenho-me sede de árvore, de sentir o vento ir com afagos de carícias de penteares. Tenho saudade de sombra, de me passear na sombra em rodares de saia bailarina ao sabor da estrela, ao ritmo da luz. Tenho saudades dos meus passos…só me passeio em sombra…
Guarda os meus voares…quero sentir as minhas folhas

Eugénio

os poetas não morrem...
vão com as aves


caro Eugénio,

Dias há em que as palavras ficam presas entre o olhar e a garganta, agrilhoadas numa dor suave que não grita mas que nos perfura a alma...Estilhaçam-se, fragmentadas em lágrimas que já não existem, porque se choram, vazias.
Dias há em que os poetas partem nas nuvens, sem palavras, só com poesia…
um abraço,

12 junho 2005

as cores que o escuro esconde

A noite levou-me nos desdormires como se todas as inquietudes se concentrassem em ebulições descontroladas do existir e só coubessem fora de mim.
Levantei-me e fui com ela à procura do escuro ...

09 junho 2005

mimicas esquecidas

A cidade-grande vestiu-se de violetas-fortes.
Parecia uma cidade a retirar o luto, com quase-sorrisos-coloridos escondidos entre muros e paredes de casas que me desconheceram os passos.
Senti-me visitante-intruso nas ruas que se esqueceram de mim…
Tentei guardar o sentir dos violetas-fortes ( com todo o brilho que uma cor nova tem, sem águas), mas estavam presos ás árvores e nem elas me falaram com mímicas de ventos…
Tenho que as percorrer mais vezes, talvez assim elas ( árvores e ruas ) se recordem de abraços e histórias antigas que trocávamos com o olhar.

08 junho 2005

dor

A terra está seca, gretada, rasgada em dores-de-silencios…o Homem também.

07 junho 2005

os meus lápis

Hoje não desenhei, não encontrei os meus lápis de cor. Saltitaram todos, em viagem que não sei. Fazem-me falta, os lápis, porque as cores, tenho-as sempre, mesmo no escuro…principalmente no escuro. É no negro ( com ou sem sombras) que lhes dou o contorno do sentir e este só é intenso quando me cego.
Mas são os lápis que me brincam e me jogam a vida.
Os meus lápis não têm embalagem, por isso nunca os afio. Eles gostam de se empoeirar nos meus dedos ( é a nossa intimidade, os nossos sussurros, reduzidos ao mais simples, ao elemento, ao pó). A espessura do traço é com eles. Por isso gosto do desenho, ando sempre a adivinhar a forma e o peso do sentir. Todos os meus lápis me são pele por isso não ouso usar borracha...
São uma enorme responsabilidade, ter lápis que se alimentam do meu sentir. Vezes há, que me fogem e eu fico a perguntar-me se foram desenhar sozinhos a história que me descobriram nos dedos...
Quando conseguir decidir-me no nome que hei-de dar a cada um, deixo-os partir sem me interrogar…

06 junho 2005

mão

Abri a mão e tentei lembranças sobre as linhas que lhe gravaram os caminhos que a dobra.
Sorri…
Estão lá todas, as de menino e as outras.

Posso fazer o desenho!

De uma, a outra está ocupada com as cores que os olhos lhe dizem…

04 junho 2005

lentidão

Passeei-me lento entre amarelos secos…
O Tempo d e m o r o u – s e . . . agrilhoado no suor da terra... adiou-se, como que filtrado nos poros do existir.
Percorreu-me o corpo entre carícias e lembranças, prendendo-se, esquecido. Perdido na fantasia, num mundo onde se funde nas inexistências …

03 junho 2005

( re) encontros com a noite

A noite veio buscar-me!
Descolou-me suave do Eu e levou-me…
Tinha cousas para me mostrar, cousas outras, esquecidas, antigas de um menino a chorar que desencontrou os amores, quando incauto, tinha revelado aos grandes, segredos sagrados.
Diziam, soprados ,tais tesouros (mal guardados) alquimicos, que amava... ( sabemos nós que falamos da quimica da alma) , Não menina, mas flor-fada, exótica e rara que só tinha cor, no escuro das noites e que lhe contava, em assobios-de-azuis, aventuras de um menino-indio que sonhava, sozinho... Não cousas de soldados e heróis mas de bichos pequeninos que desenhavam o que sentiam, até cousas de amores…
A noite veio buscar-me e eu fiquei a ouvir o que os azuis me diziam, cousas outras que não vou contar, pois são para ouvir, só por quem entende o vento a falar…

02 junho 2005

sem dimensão

Abri um buraco,
com pá,
picareta e suor.
Fundo.
Vertical.
A perder de Tempo.
Negro.
Sem cor, nem dimensão (medível).

(muito fundo…)

Ao lado ergui até ás nuvens,
uma escada,
de corda.
Alta
Vertical,
de prumo,
mas de cor,
Trigueira (bonita, esta escada, a imitar fragmentos de Sol).
Sem dimensão.
Alta, até arranhar ( sim, claro, o céu)
ENORME!

(até ás nuvens…)

Depois,
depois subi.
Lá,
olhei para baixo.
Para o Buraco.
Visto do alto, um buraco é um buraco, plano, sem fundo...

( com a espessura de folha de papel...de arroz)

É como a Vida,
tanto faz a distancia que temos de Tempo.
Só o instante conta e se sente.
O fim perde-se da vista…

01 junho 2005

o instante de se ser um ponto

Quis desenhar uma palavra na areia da praia...
Uma única palavra que pintasse a emoção de ser um ponto do Universo.
Não encontrei palavra ( nem cor)…
Ficaram as pegadas, até ao instante da onda se espraiar,
livre…
Como o ponto…
Como o Universo…
Ficou o instante…

31 maio 2005

vagueações

Agarrei no cachimbo e deixei-me arder no sal, de olhos vagos, (fugitivos-das-lágrimas), a passear-me por dentro…

30 maio 2005

tempo(s)

Desenhei uma onda pendurada no céu em forma de cavalo-marinho-azul e que me sussurra histórias do vento.
Olho-a e o longe…
Voo-me a descoberta do Tempo que me coube...
Cabe inteiro no que vou gastar até me fundir no horizonte…

In “ apontamentos para um manual da serenidade", ou como mesmo que alguém resolva brincar com a nossa linha do horizonte, o nosso espaço-tempo cabe inteiro no nosso querer de ir sempre além…

29 maio 2005

pinturas em fim de tarde

Prendi-me às velas de um barco que se escondeu onde o mar e o sol escorregam, abraçadas ao mistério da Descoberta…
Sopro o vento,
a fingir-me caravela…
Voo,
em brancos-bruma,
e
sou,
Gotas-sangue,
de aguarela.

27 maio 2005

sons em branco...surdos

A onda espumou com raiva lenta os gritos surdos de uma gaivota que se perdeu entre os azuis...

26 maio 2005

divagações

O desenho é como um poema, só a linha que o delimita na forma e exalta o sentir, tem vida própria, tudo o que fica fora dela só merece a invisibilidade…
As linhas e as letras para o poeta são uma e a mesma coisa.
Não sei escrever, nem sei desenho, mas sei poema, porque poema é de cada um e nasce no VER.
O que o rodeia são suposições que deformam o original. Só o original nasceu do SENTIR o que se segue apenas O provoca.

25 maio 2005

se a existência se resume ao" ter e não ter"...não tenho!

Não tenho invisibilidades…
Até a imaginação se põe a dançar com uma bailarina-borboleta (que se diverte em sombras), ao som de uma guitarra que se abraça a uma trompete que se finge piano e fala comigo em sussuros de feiticeiro africano...( colorido em tons de Malagatana)

24 maio 2005

o palhaço de D. Quixote

D. Quixote tinha um palhaço…
Não o era o Sancho, nem o próprio, o Cervantes, muito menos o Rocinante…
Era eu…só que cheguei atrasado à história…

de pernas para o ar

Nasci ao contrário ( com os olhos a fugir para dentro, numa tentativa vã de não existir na Luz).
Todos o sabem?
Não! Não todos, a mãe sabe, eu também, disse-o ela em grito de parto engasgado. Cansada.
Talvez por isso me sinta bem no Ver que se desenha no olhar, de pernas para o ar…
Só assim entendo e descodifico o Ser-Me…o resto do Todo, é artificial, articulado no Ver-em-câmara-escura ( sei eu e todos que na câmara escura a imagem anda por ali em bolandas de pernas para o ar para ser vista)
Eu vejo o sentir em fenómeno óptico…tudo de pernas para o ar, sem câmara escura…

23 maio 2005

A quem vai tendo a paciência de me ler fica o aviso que retirei a possibilidade de comentários em todos os espaços que criei…
Por cobardia,
dirão uns...
aceito ( digo eu, com a convicção que me assiste),
censura? Sim, assumidamente,
mas a verdade é que não me sinto com vontade nem disposição para receber insultos.
Que me inventem o EU, não quero saber. Não me interessa. Que o façam noutros espaços, é direito vosso, também não me interessa, mas não o permitirei que o façam neste espaço.
Este espaço, e os outros em que me escrevo ou pinto foram criados com um enorme prazer e existirão até ao momento em que me derem prazer.
É um direito meu.
Sou como sou, tenho sobretudo defeitos, por isso me isolo, por isso escrevo na minha solidão, no meu canto.
Fica um obrigado a todos os que me foram comentando, esperando que entendam que não tenho outra intenção que a de conseguir continuar a rever-me neste espaço, como meu, como reflexo do meu olhar e que só o conseguirei fazer se para tal tiver vontade.

silêncios

Pintei o silêncio a pó-de-giz.
Negro.
Fragmentado.
Há silêncios que se colam à pele como o nevoeiro-de-áfrica, denso, pesado e ferem a alma com uma lámina-sabre. Carniceira!
Despedaçam-nos, vivos-sangue sem uma única lágrima no olhar e um desprezo INTEIRO…

No entanto vou,
cego,
numa planura disfarçada de horizonte,
ébrio de VER…

22 maio 2005

puzzle do eu

Se estás incompleto, só existes nas partes…
Procura-te nos fragmentos e soma-te no UM…

In “ apontamentos para um manual da serenidade” ou como há dias em que o importante é encontrarmos pedaços do Eu, reconhecidamente nossos e não perdermos tempo em dizer-lhes “ sejas bem vindo”…

21 maio 2005

queda(s)

A Vida é uma espécie de QUEDA inconstante, em permanente transmutação e que finge fugir da Morte…

Levanta-te!
Dá um passo!
UM!

Fizeste FUTURO!

20 maio 2005

roubo

Roubaram-me o dia.
Sumiu-se, sugado por uma palhinha…
E
eu,
ali,
a inventar-ME cores…
A vê-lo IR…

19 maio 2005

bancos-de-jardim

Espalhei passos (meus) em acasos de fim-de-tarde, cansado, em Jardim-Pintado-de-Novidade (com salpicos-coloridos, a espreitar os verdes e a murmurarem conversas soltas como só eles, o vento e os poetas-pintores entendem e sabem).
Sentei-me em Banco-de-Jardim.
Branco-Pedra.
Frio.
Os bancos de jardim, mesmo novos ( como este que me abraçou o olhar e o cansaço) são ouvintes, ao acaso, nos ocasos dos destinos que soluçam, engasgados, os desencontros da vida, num jogo de dados ou de cartas, ou em jogo nenhum, porque a solidão afinal não o é (jogo), é sim uma pergunta contínua que joga à escondida com a resposta. ( desculpem, os que têm o azar de se passear nestes labirintos escritos, mas quando nos paramos, mesmo sentados, o pensar não pára e confunde-se na inércia do existir).
Sentei-me.
Repito...
Cansado (ainda) no banco-branco do jardim…

Os bancos dos jardins, mesmo os de pedra, novos, são desenhadores de rugas…

As rugas escorregam-se quando nos sentamos nos bancos dos jardins a olhar o horizonte que nos passou no Ver quando não nos sentávamos, cansados, nos bancos de Jardim…

18 maio 2005

engano(s)

Recortei, as minhas sombras, uma a uma com tesoura e bisturi.
D e s c o l e i – a s .
Não me sabia tantas !
Entornei-lhes transparências e joguei-as no mar (sempre tiveram tendências navegantes, estas "alter-sombras")…
Olhei-as, sopradas pelas ondas e imaginei no desenho, uma nuvem de gaivotas a segui-las em manto-branco-trompetista, até ao horizonte, mas não vi nenhuma gaivota, nem mesmo no longe…devo-me ter enganado nas sombras…

17 maio 2005

interlúdio poetico

A Cláudia , capitão Mantras do Nautilus vai dizer poesia ( como só ela sabe), dita com o olhar no , dia 21 de Maio, pelas 18 horas, na Fnac do NorteShopping, no lançamento do livro de poesia A NUVEM PRATEADA DAS PESSOAS GRAVES, de RUI COSTA , das Quasi Edições.
Apareçam, porque tenho a certeza de que vão gostar muito do livro e da forma ouvida em que se transforma a poesia sentida pela Cláudia.




também podem aparecer em Aveiro no próximo dia 25 ás 21,30 na Feira do Livro

16 maio 2005

distracções , (in)consequentes

O céu caiu!
Todo!
Desamparado,
desarrumado.
Desprendeu-se dos azuis e tombou trôpego-cinzento, pesado como um cobertor-de-papa-molhado-das-lágrimas-da-nascente-do-Nilo …
Eh! Oh de cima, então?
Vá de içar isto, que coisa assim não é de baixo é de cima!
Vá Iça!
Isso!
Devagar…
Alto! Mais à direita…sim…mais um pouco...ÔH!
Iça!
Iça!
Isso!
Como andam distraídos, vai uma pessoa a passar e pimba!
Chiça!

15 maio 2005

isto hoje não é para ler

A Lua nasceu de pernas para o ar.
Fiquei a vê-la, parado, a derreter-me extasiado em tentativas de desenhar o visto e a ouvi-la rir-se de mim em gargalhadas trovelescas ( burlescas?)…
Pode rir-se à vontade, mas desenhar a Lua de pernas para o ar é cousa importante e ÚNICA!
Sempre pensei que AZUL era AZUL, AMARELO, AMARELO, mas VER, AZUL ou cor qualquer de pernas para o ar é cousa SURREALISTA!

Vou telefonar ao Cesarini e pintar uma fonte, fiquei cheio de sede de me interrogar sem olhar resposta...

Nota: a alusão a Mário Cesariny ( quasi me esquecia do y ), não tem autorização do autor , mas fica a imagem ou o sentir de uma conversa de surdos, porque afinal de contas está tudo virado de pernas para o ar...só a fonte, dá vida e corre para o mar...

14 maio 2005

traz todas as tuas tintas, não escolhas nenhuma e deixa o sentir pintar-te

Queria tanto desenhar,
letra
por
letra,
toda a poesia que se pinta-de-olhares na minha estante-inclinada, gravada no sentir por linhas finas,
fundas,
como que pendurada no estendal a dançar,
colorida
qual folha de Outono a pingar da árvore, desprendida

Ah, isto de se querer mais do que a vida é um desencontro ininterrupto, sem tamanho que cabe inteiro na contradição de estarmos presos no tempo em voares de colibri...

13 maio 2005

quando as minhas lágrimas ( também elas), choram

As lágrimas ausentam-se de mim,
uma
a
uma,
gotas de tempo
sem espaço.
No rosto,
laminas frias de aço,
uma
e
uma,
todas,
num mar de sargaço
sem fim …
Aguada de cor,
pintada na dor,
sem abraço.
Rio sem destino
nem memória,
gaivota ferida,
caída,
assim
no branco-cal,
em folha que escrevi,
sem história.
Ver que não vivi,
desenho-te,
esboço
de
risco fosco,
sinal-sombra em mar acido…
Fel
que
tomba
na
pele
que tece
e arde
no sal
que desaparece
em mim…

12 maio 2005

aveiro, hoje

É dia da cidade.
De festa.
Dia de Joana.
Santa.
Tocam os sinos, a fanfarra…
Há perfume a pipocas,
algodão,
foguetes.
Discursos aqui,
ali,
com sentido e não
palmas ali,
aqui,
sentidas,
ou sem emoção,
joguetes...
É dia de festa,
de cores,
procissão.
Pandeiretas,
pandas,
como velas,
ao vento…
Afasto-me,
lento.
Sou moliceiro navegante,
enfunado de levante,
barco perdido,
distante,
ao relento..

11 maio 2005

terras de memórias

Caí em abismo, nos sons de África, a cavalo numa trovoada que me “tempestou” a noite em sonho escondido do Eu.

Batuque
longo
no fundo da noite,
feiticeira monge,
num
tuque
tuque
que foge
se tinge,
em sangue de sangue
ao longe,

Espreitei a magia que me abraça em cores-de-terra-memória, com o desejo de me esfumar lento-longe nos seu horizonte.
Finjo-me vento,
sinto-me terra.
Vermelha-de-dor a evaporar-se em Vidas.

Formigas.

Caí em abismo,
desamparado,
estilhaçado em relâmpago perdido na noite que não foi dia,
foi “cousa” rasgada, ferida…

10 maio 2005

inaptidão

Saí cedo para a escola, ia com o ver à frente dos passos, pejado de importância e de sentido.
Era o meu primeiro dia.
Razão havia que transbordasse, afinal ia aprender a falar com o vento.
Triste ilusão, não estava habilitado!
Disse-me o Mestre, num s-o-l-e-t-r-a-r vagaroso , que sou muito novo, para a aprendizagem de talha tão complicada. Primeiro tenho que saber falar com os pássaros (afinal os pássaros voam , não por ter asas, mas por saberem falar como vento, os malandros…), só depois estou apto para o estágio . Mesmo assim, não garante, disse-me, porque o ideal mesmo, era saber pintar a linguagem das nuvens…

09 maio 2005

pinturas

Esta noite , num cantinho da noite, choveram lágrimas de polén e o dia acordou pintado de borboletas bailarinas…

08 maio 2005

coisas de amor

Aviso desde já,
conhecidos, e outros,
anjos e anjas,
incautos ou pensadores
que quem escreveu o que se segue não percebe nada do assunto,
não é teoria,
nem verdade inteira,
nem tão pouco pedaço dela.
Não peçam explicações nem desenho.
Explicação para o sentir não há e o desenho é difícil, como sério, é pintar uma lágrima cristalina de mil reflexos, cada um com cor diferente, e ao pintor só lhe ensinaram sete,
não mil.


escreveu-se, o sentir assim ( o tal do aviso):


Não entendo porque é que a pessoa a quem se DÁ amor (só mesmo um humano, tem este tipo de problema existencial, todo o resto da existência é muito menos complexa no sentir), só se satisfaz se ouvir dito ou escrito (mas sobretudo dito, vezes muitas) AMO-TE!"


Não entendo!
O amor não está na palavra, transborda nos gestos e no olhar…

07 maio 2005

(des) encontros ou uma viagem à essência das coisas

Encontrei um menino, que não via desde que dei um pulo no país do desenho, onde se pensa e sente sem ordem de prioridades. Este, sempre foi especial e anacrónico, talvez por ter existência de índio e cabelos azuis-noite-prateados-de-lua ( e que me conste nunca andei por terras de índio). Passeava-se com olhares de quem procura um lugar esquecido. Tinha nome de olhar, Olhos-de-colibri, porque se perdia nas cores das flores e falava com elas, sempre apaixonado por cada uma. Deu-me um olá indiferente e seguiu na procura. Desapareceu na aguarela, esbatido nos azuis de um céu que nasceu já pintado. Não o via há muito tempo, porque há muito que não tinha um instante destes, de viver noutro espaço, ausente do corpo e da existência que nos contornam o VER, como uma aguarela que é cor e agua e tem a serenidade da sabedoria de ser poesia sem palavra, nem desenho…

05 maio 2005

dúvidas...de peso...

Papá, Papá diz-me, porque me pesam tanto os olhos, porque me dói tanto o andar?
Porque, o que não quiseste ver e os passos que não quiseste dar te pesam e te prendem…E não quiseste porque te distraíste com o Todo . Ninguém consegue carregar com o Todo em vez só, o todo constrói-se!
Mas papá , estou tão cansado! Só me apetece fechar os olhos e sentar-me no escuro. Estou tão cansado Papá...
Se olhares para uma formiga perceberás que cada uma leva um grão de cada vez. Estás cansado porque queres agarrar tudo com o olhar, num só dia. Assim perdes quase tudo. Deves ser inteiro, como cada dia é inteiro, só assim consegues ser sempre tu em cada dia que te olha e te caminha no Ver. Por isso fechas os olhos, por isso páras de caminhar, assim é o teu não querer que te orienta, não o teu querer. É o teu não querer que te pesa!...
Mas é tudo tão bonito, papá.
Só é bonito o que te cabe no olhar. E deves ter olhar para cada um dos teus dias. O rio não desagua todo de uma vez no Mar...
Está bem papá vou pintar um dia de cada vez…mas à noite posso sonhar não posso ?

04 maio 2005

desenhar uma semente

Tracei uma linha contínua, não lhe sei início, nem fim.
É um retrato.
O teu, com reflexos de azuis-noite-em-dia-de-brisa-suave-e-estrelas-navegantes.
Pintei-o, como quem se enche de universo e fiquei sentado ver-te partir…
Há cores assim que nascem pequeninas e tomam o tamanho inteiro de um destino…
É um retrato.
O teu…
Meu, só o maravilhar de te ver Ir com a suavidade de uma gaivota que abraça o mar…

03 maio 2005

conversas sérias com a papoila que acordou num dia que não devia ser o dela

Queria tanto ser uma árvore…
Ouvi ao longe numa espécie de choro cristalino. Olhei mas não vi de onde...
Estás a ouvir-me? Queria tanto ser um árvore, mesmo que seja uma das pequeninas…
Oiço, sim, mas repito-me, não te vejo…Eu sei que tenho andado distraído com as minhas pontes, com as minhas viagens, com os meus cansaços, mas na verdade só te oiço, estás longe do meu olhar…
Estou aqui, em baixo, sou a tua papoila…

Mas porque razão queres ser árvore?
Queria tanto ver coisas outras…e ter o tempo todo de uma árvore…
Ensandeceste! E a cor? A cor de papoila? Que fazias à tua cor de papoila, à tua delicadeza de seres quase seda, a de seres a primeira flor dada a uma mãe, a de seres a primeira flor dada com amor? Ninguém agarra numa árvore e a oferece pintada de papoila! Por ventura já gastaste o teu Tempo? Que eu saiba renasces todo o ano, em sítios diferentes…viajas com o tempo e na terra que te dá a cor. Essa cor é só para ti. Esta árvore que te dá sombra come da mesma terra que tu, e não se pinta de papoila, pinta-se de árvore…
Deixa-me sozinha, sim…continua distraído com as tuas pontes e deixa-me com o meu sonho…
Mas deves viver o teu sonho, não deixes é de te viver papoila!

01 maio 2005

pianos...vivos

Nunca tinha desenhado um palhaço apaixonado por um piano, abraçado entre os brancos-negros da melodia e o colorido do seu olhar...
De trompete, de violino, de pandeiretas e tambores,
muitas,
de piano,
nenhuma.
Hoje saltou-me um, no desenho, mas não lhe dei nome...
Um palhaço não deve ter nome.
Uns tiveram, Pierrot , Arlequim, mas esses não eram bem palhaços eram poetas, palhaços foram só as imitações que se teatralizavam em gestos premeditados do rir .
O meu não tem nome, é inimitável…

30 abril 2005

esquiços de dança

Desenho uma sombra,
não a tua,
não a minha,
a que nos intersecta…
É quase colorida e dança ao som dos búzios…

29 abril 2005

escultura

Esculpi um muro, em pedra de xistos molhados com brisa de mar, e espreitei …
Vi um campo enorme, com fim no horizonte em tons de verdes, vermelhos, amarelos, violetas e brancos, todo pintado ás pintinhas num desfocado de névoa…
Estranho muro este que se atou a um horizonte que se escondia no seu existir

In “apontamentos para um manual da inquietude”, ou como devemos ter muita atenção ao gesto, porque nele nasce e morre um outro mundo que lhe vive preso nas (inter) dependências do acaso...

28 abril 2005

quebra-cabeças

Inventei um quebra-cabeças para me desinquietar, o sol estava divertido, o céu no seu lugar, até as gaivotas se passeavam entre os horizontes…
Tudo indicava que hoje o desenho seria coisa viva, de cores quentes e traços sentidos, mas não, dei comigo a procurar a metade da minha alma.
O ponto exacto que a divide no meio de mim ( e a culpa é da Sophia “metade da minha alma é feita de maresia…”, que encontrou a sua).
Primeiro usei o numero de ouro, o tal das proporções e que nasceu com a vida, depois com o desenho e só mais tarde com o numero.
Perdi-me!
A minha alma não tem proporções, é desarticulada ( anda aos saltinhos só para me confundir…), por isso não lhe encontrei a metade, nem o terço, nem o um.
Já à noitinha resolveu serenar-me e segredou-me, brincalhona ” como podes encontrar a metade se ainda não me conclui no um?…o inacabado não tem metade, porque a metade cresce proporcionalmente com o um…"( ainda bem que não sou matemático, porque senão lá se ia outra vez a serenidade para a gaveta, na tentativa de formular a teoria do crescimento da alma).
Inventei um quebra-cabeças…
É bem feito, o dia ofereceu-te todas as cores para o teu quadro, escusavas de andar por aí a quebrar-te só para encontrares a tua metade…

27 abril 2005

conversas sérias

Entornei uma mão cheia de palavras sobre o papel, sem desenho nem limites ( papel-horizonte-de-bagos-de-arroz).
Falei com cada uma delas, sem lhes ferir susceptibilidades ou liberdades…
Cada qual sente o que sente e toma a forma que entender, mas era dia ( nunca devemos adiar a conversa, mesmo que seja, com as palavras que esvoaçam connosco o caminho do Ver) de sabermos, eu e elas se cada um cabia dentro de cada qual, na existência de cada um.
Foi conversa séria, mas delicada.
Quando se derramam todas as palavras que digam, com ou sem letras “AMOR”, é como pegar borboleta, se a “aprisionamos” pelas asas, transforma-se logo em pó(len?), mas se a deixamos pousar, nem que seja só no olhar, sentimos todas as suas cores por dentro*…


* "amar por dentro", ideia escrita e sentida por Ana ( in Ana e o tio Deus de Fynn - editora Ulisseia, reeditato pela Presença)
** sentires diferentes com a coincidência do mesmo olhar (tinta permanente)

26 abril 2005

fado

Cavalguei, noite dentro,
nas cordas de uma guitarra,
que me cantava, baixinho,
o choro de uma cigarra.
Toco a guitarra, sozinho
uma saudade triste,
dos tempos
em que me viste,
misturado na cidade.
Não é fado,
nem, poesia
é um querer sem tamanho
de estar sempre a teu lado.
Toco a guitarra sozinho,
na noite escura,
ao luar,
choro, com ela, devagarinho,
um sonho alado,
a rezar.
Soubesse eu cantar,
e ia por todo lado,
tocar esta dor,
que se desenha no ar,
num abraço negro,
da minha capa
a chorar…

( saudades...não há saudades sem fado )

25 abril 2005

voares

Guardo o dia,
este,
os outros também,
porque o sentir,
é esta essência de ser,
mais que palavra,
mais que o querer…
É ir,
sempre além,
como gaivota,
livre de nascer,
todas as coisas,
que só o pensar sabe ter…

(queria escrever sobre a liberdade, coisa singela, coisa simples, mas só me apetece voar...)

24 abril 2005

quando a cor se perde com a vontade

O céu enrugou-se de veios brancos.
Apetecia-me alisá-lo de azuis para o ver inteiro.
Perdi-me na vontade, é tarefa de gigante imaginar um céu por inteiro, não tenho azul que chegue no olhar...

22 abril 2005

monólogos inconsequentes

…e quando de repente, olhamos algo que nos foi intensamente belo e não acreditamos na banalidade dos seus traços?
O que se perdeu?
O belo ou o olhar?
Perdeu-se o instante!

In “ apontamentos para um manual da serenidade” ou como não devemos cansar o belo, para que ele não fique para trás, sem folgo para nos acompanhar, ou se não quiseres perder o belo não deves andar nem devagar nem depressa, mas abraçá-lo em ti...

21 abril 2005

ser-se no EU

Ser coerente no caminho que se traça no dizer( ou no ser), não é ter sempre a mesma opinião.
O importante é que o que lhe dá forma (sentir, ver, ou coisas outras como a cor ou os silêncios), faça sempre parte do teu desenho e que cada Sim, que cada Não, te defina sem equívocos o NOME!

In “apontamentos para um manual da serenidade”, ou como devemos andar sempre ás voltas com um continuo interrogar para não cair involuntariamente fora do papel, ou como um esboço já diz tudo do nome de quem o sentiu no lápis...

20 abril 2005

revolta suave, porque não nos podemos zangar por coisa tão pouca

O "poeta" falou-me!
Autoritário!
Estava tão zangado que o ouvi mudo e fui cabisbaixo, olhar o mar e a imaginar no desenho, a melhor forma de pintar um caracol surrealista de formas cubistas, sem poema, só para o arreliar.Isto de se dar ouvidos a poetas surrealistas, é grave e perigoso e só se o deve fazer se estivermos preparados para não interrogar…
Eu não estou.
Aguente-se o poeta, com boina ou sem boina.
Eu Pinto, não escrevo.
O que me sai do olhar, não são palavras, nem rimas, é desenho.
Nem sempre tem cor, é verdade, mas tem todos os traços escondidos em mistério, (como um-vitral-de-uma-floresta-a-permitir-se-embalar-na-luz), (isto por exemplo, é desenho-directo-do-olhar, é, sem mais, uma emoção, um sentir-ilustrado)...
Que se afogue o poeta e o seu latim.
Aqui, deste lado sente-se com o olhar,...
Aqui, não há paramentos, nem regras, nem mesmo surrealistas...
Aqui há um vazio cheio de mim que corre qual rio, com margens pintadas de EMOÇÃO !
Aqui há um su-emocionista (*) que vezes pinta, outras desenha, outras ainda e muitas, imagina, nem que sejam palavras, mas é tudo olhar transformado com o SENTIR.
É TUDO TRANSFORMAÇÃO...

(*) Não encontro palavra, como seria de esperar quando se pretende resumir o que há para lá da emoção do sentir numa única palavra, mais a mais inexistente, mas se há surrealistas...

Nota: isto não é um manifesto, é um desabafo com metáforas mais ou menos disfarçadas que nunca atingirão o alvo, mas ficam escritas e não se fala mais no assunto...

19 abril 2005

a tarde! ou.. é tarde? ou...

A tarde cansou-se de me esperar e foi por aí, sem saudades à aventura, sozinha.
As tardes são coisas estranhas (os dias, as noites, também, mas as tardes refinam na subtileza do mistério…) que se desdobram (qual caleidoscópio) na vida e para a vida de cada um…
A que me coube em sorte foi irreverente e não esperou por mim…
Azar só dela (perdoem-me a arrogância, mas como a tarde é minha dou-me a esse desvario) porque partiu cega e andarilha, presa ao umbigo do meu olhar.
Podia ser rancoroso e deixá-la ir assim sem mais nada, cortando-lhe o cordão (umbilical) mas corria o risco de ela se perder e eu ficar irremediavelmente desorientado na vida, sem uma tarde e olhem que isto de se passar da manhã para a noite é coisa de gente mal encarada com a vida e eu não me permito sê-lo, porque curta. Sei-me de missão encontrar todos os dias uma cor nova, tarefa de todo incompatível com desencontros voluntários com a vida…
Sei que a culpa é minha, ela (tarde) fez tudo para me realinhar com o tempo, mas eu estava tão entretido a escrever um manual prático de como se guardar o pôr-do-sol no bolso (para uso imediato e em qualquer hora do dia) que me distraí.
Não encontrava descoberta convincente para conservar a cor.
Estava indeciso em envolver o pôr-do-sol entre pétalas de rosa ou entre reflexos-de-olhar-de-menino-a-falar-com-a-sua-estrela.
Optei pela segunda e corri a agarrar a tarde…

18 abril 2005

mentiras descuidadas

Menti descaradamente!
Disse a uma gaivota triste que me sussurrou a sua vida, que parecia uma papoila a contar histórias…
Louco!
Irresponsável!
Indigente de sentires!
Uma gaivota não conta histórias, mesmo que vestida de papoilas !
Toda a gente sabe que uma gaivota é uma caravela navegante, branca que voa sobre o mar e o que ela sabe, não é história, é olhar…


"Eu já falei com uma gaivota e ela contou-me histórias. Mas como não acreditei nela, fui obrigada a segui-la. E ela mostrou-me que era verdade..."
testemunho deixado pela Cakau

Afinal andava enganado, ou pelos vistos o olhar, pode ser contado ( o que me leva a concluir que menti na mesma! Louco! Irresponsável! Indigente de sentires! Uma gaivota conta histórias sim senhor! Bem me pareceu que eram descuidadas as minhas mentiras...)

17 abril 2005

teorias

A beleza das coisas (Bc) é directamente proporcional à beleza da alma ( Ba). Esta é uma verdade indesmentível e que não tem discussão.
É a minha primeira verdade!
Ou seja a beleza da alma está para a beleza das coisas, assim como o UM está para a alma (nossa incógnita),donde
a = Bc x UM / Ba

a = alma
UM = ver teoria ( clicar em UM)
Bc = beleza das coisas
Ba = beleza da alma
Então, se:
Bc = Ba,
temos,
a = UM

donde , devemos todos tratar muito bem da nossa alma ( mesmo que seja incógnita) para não estragar o UM

In “ apontamentos matemáticos para o manual da serenidade “ ou como de vez a vez, vale a pena iludirmo-nos que esbarramos com uma verdade…

15 abril 2005

passeios desatentos

Há dias assim (gostava de saber quantas vezes me ponho a pensar em escrito, desta forma pouco criativa…há dias assim, ou hoje o dia…, mas não me vou perder em matemáticas…), dizia eu, e lá vou repetir-me... Há dias assim em que nos enamoramos pela brisa e fugimos com ela.
Fomos! Sem início nem fim (estávamos desatentos e quando demos por isso já era tarde, que isto de amores é coisa esquisita), transformados em folha de Outono, iludidos pelo poeta que se levantou hoje e foi passear-se de boina preta sem aviso prévio…

14 abril 2005

o pássaro

Passou um pássaro negro a esvoaçar-me meio louco à janela e a pintar o céu de gritos roucos. Parecia um piano de cauda, desconjuntado a tocar sozinho…
Chamei-o!
Disse que não me podia atender, que andava meio perdido ( meio-louco) à procura do olhar, não do seu, que o sabia bem guardado, mas aquele outro que tinha que mostrar à humanidade, antes do céu se pintar de estrelas, porque senão, não iria haver sonhos nessa noite.
Fora um desastrado, encantara-se por uma borboleta linda, de-cores-violeta-rosa e num acto tresloucado oferecer-lhe o olhar que os pássaros tem que mostrar à humanidade e a agora não havia nada que salvasse a humanidade. Ele que era o guardião, estava agora desgraçado…
Espera! disse eu aflito, surpreende-nos… só precisas de te sentir borboleta de cores-violeta-rosa, verás que ninguém dá pela troca, anda, anda aqui, que te pinto… o sentir, esse é contigo, mas as cores...
Não dá, tenho que A encontrar, não se pode enganar o sonho, essa é a grande diferença entre o sonho e a mentira…
Nunca mais o vi...
Só me resta esperar pela noite e ver de que cor se pinta o meu sonho, talvez tenha encontrado a sua borboleta naquele prado lindo vestido de papoilas que se esconde, ali ao pé do horizonte…